quinta-feira, 12 de julho de 2007

PRAZER. EU SOU...




Muito prazer, meu nome é Otário. Sou eu quem escolhe quem vai roubar meu dinheiro, sou eu quem elege quem vai levar meus quatro primeiros salários do ano. Sou eu quem esquece o que aconteceu no ano passado, sou eu quem não valoriza os ídolos do País. Sou eu quem fala mal do País e tem que idolatrar os falsos estadistas.
Sou eu quem puxa a carroça, enquanto os chefes de Estado sobem nela. Sou eu, o Otário, quem adora uma causa perdida, quem adora pedir Justiça, quando na verdade sabe que nada vai acontecer.
Sou eu quem aplaude os nobres colegas quando se reelegem nas eleições, mas esquece que eles não fizeram nada por mim durante quatro anos. Mas, de novo, muito prazer, sou eu o Otário.
O mesmo que sabe que tem direitos escritos na Constituição do País, mas que acha que tudo é assim mesmo e não faz nada para mudar. Este Otário que vos fala é o mesmo que dá mais valor para aquela que trabalha deitada e descansa em pé, como disse o Clodovil.
Sou eu, o Otário, que aceita a proposta da “ministra” Marta Suplici, relaxa e goza, quando uma viagem de avião leva mais tempo que uma viagem de carro. Que tem certeza que o presidente do Senado está mentindo, mas mesmo assim lhe dá o direito de sair ileso de bolso cheio de uma irregularidade.
Sou eu, o Otário de sempre, que pinta a cara e vai para as ruas protestar só porque viu na TV que todo mundo está fazendo a mesma coisa. Sou eu quem prefere ficar vendo Faustão, Gugu e outros programas do gênero ao invés de comprar um livro ou um jornal para ler.
Eu sou aquele Otário que, em tempos de Copa do Mundo, vibra, torce, compra camisa e bandeira só pra torcer pela seleção enquanto os nossos “representantes” aproveitam para aumentar salários, empregar parentes, desviar dinheiro público e viajar com o meu dinheiro pra ver em loco a mesma Copa do Mundo que eu vejo pela TV.
Como diz a música do Engenheiros do Hawaii, “se fosse fácil achar o caminho das pedras, tantas pedras no caminho não seria ruim”. Na verdade, é mais fácil fazer como todo mundo faz...
O caminho mais curto é o produto que rende mais, um tiro certeiro é o modelo que vende mais.
Mas não tem nada não, esse Otário tem o horário eleitoral pra se divertir, tem o Big Brother pra votar e o Carnaval pra esquecer que no dia seguinte não terá comida, diversão e arte, além de emprego, saúde e educação.
Mas esse sou eu. Muito prazer! O Otário.

Sergio Eduardo de Oliveira - acadêmico de Jornalismo - Folha de Blumenau
←  Anterior Proxima  → Página inicial
Postar um comentário