quarta-feira, 26 de setembro de 2007

VELOZES E FURIOSOS 3 - TOKIO DRIFT



Sempre quis fazer resenhas de filmes, mas sempre a preguiça ou a falta de grana pra alugar me impediram. Entretanto, a nova fase do blog, bem como a facilidade de se conseguir filme de grátis na net me animaram. Assim, abro a série de Resenhas do Reticências com o Filme Velozes e Furiosos - Tokio Drift.

Por que esse filme? Por nada oras! Era o que estava mais fácil, se bem que certas bizarrias presentes neste exemplar da sétima arte merecem que se destaque sua existência. A cagada... digo, o filme começa com uma mané na escola e uma musica bem bacana.

Incrível o esforço que o diretor faz pra que o protagonista pareça ser um alienígena no meio daquele povinho animado. Em especial rolam muitos closes dele andando no meio do povo, com só ele em foco. Logo depois aparece um motor V8 e o carinha consertando (Já fica claro que ele é pobre, pois não paga mecânico) Até aqui se faz uma p*ta força pra definir o protagonista como um "Outcast" que curte carros (O que já era obvio desde antes de tu entrar no cinema, afinal, se o protagonista não curtisse carros, porque p*rra iria estar em um Velozes e Furiosos?). Também rola uma ceninha de uns pregos pintando o bucho de um gordinho. Coisa de mané. Dar um Cuecão seria mais divertido.

O Mocinho do filme vê e deixa quieto, o que prova que além de Outcast e de curtir carros ele é meio cusão. Fica tudo na mesma até a pseudo treta com um alemão goiaba que joga futebol americano, tem um Dodge Viper e namora uma loira vagaba que fica dando em cima de qualquer coisa que passe perto dela e tenha pelo no peito. O pior corno é o que não quer ver.

A tretinha das bibas desemboca pra um racha sem noção, onde o mocinho do filme
prova duas coisas:
1 - É louco pra c@ralho.
2 - Não guia p*rra nenhuma. (O que é provado em vários momentos do filme)


Apos darem PT em ambos os car
ros e em metade de um bairro em contrução, vai todo mundo em cana e o mané do mocinho merecidamente se f*de, é deportado a pontapés e só não vai pra cadeira eletrica porque sua mãe deve ter dado pro policial que o prendeu.

Chegando na terra do sol nascente, o cara toma uma comida de rabo do pai Loser, que mora em uma caixa de sapatos e que tava picando a rola numa gueixa quando o delinquente chegou.

Depois, o mané se atrasa e
vai pra uma escola onde todo mundo se veste feito o RBD, e só se entra nas salas de aula com um sapatinho de bailarino russo. Um must mona.

E não acontece mais p*rra nenhuma até que o protagonista (Caraio! Cadê o nome desse cara?), conhece um neguinho camelô picareta, que tem um dos carros mais ridiculos do Japão e vai com ele até um lugar cheio de gostosas, carros e japoneses metidos a Gangsta. Não demora nem 3 segundos pra ele arrumar treta com um por causa de uma gostosa. Deve ser algum karma. Tretar de monte e não comer ninguém.


E aí? Vamos tomar algo juntos? Tipo, um banho?


O cara é tão imbecil que topa tirar um racha sem carro. E ao invés de deixar ele passar vergonha pra poder dar umas risadas, outro japa, em um ato de imbecilidade impar, oferece seu carrão tunado pra o cara rachar. A explicação do neguinho muambeiro sobre o carro ser "A Monalisa do Drift" é digna de nota. Nota zero. Jamais ouvi tamanha bobagem desde que assisiti o ultimo filme dos Teletubbies.

(Insira Cena de Racha Aqui)

Evidentemente que sobra pouco da caranga na mão do bração. Afinal, se uns dias antes o cara destruiu um Muscle car da década de 70, que dificuldade teria ele pra sepultar um carango mais moderno?



Quer um mané pra arregaçar seu carro? O Branquelo ali ó!


Se alguém aranhasse meu carro, eu pendurava o cara pelas bolas com um peso de 100 kilos amarrado no pescoço, mas o que faz o japa que acabou de ter o carro transformado em purpurina? Dá um emprego pro infeliz barbeiro que transformou um carro tunado em um peso de papel tamanho gigante. Agora entendi porque vai tanto brasileiro pro Japão trabalhar. Tá na cara que la empregam qualquer idiota que faça qualquer m*rda.


Ah sim, nesse meio tempo ele toma outra comida de rabo de seu pai Loser. Zif*deu.


Após tomar umas bifas de um lutador de sumô e ter de ficar andando feito um imbecil atrás do cara cujo carro destruiu, o mocinho dá umas voltas no carango do mesmo cara, que é ducarario. Quero um. E vai todo mundo pra uma balada cheia de modelos facinhas (Só no cinema mesmo modelos ficam dando moles pra manés duros).

No fundo da balada, tem uma oficina, muitos carangos bons e adivinha? O cara dá um carango de competição pro mesmo baitola que deu PT no outro!!! E tu que vive implorando pro teu pai te dar um gol 1.0 ano 94, MORRA DE INVEJA!
Como que pra justificar a doação de um carro que vale algumas centenas de milhares de dólares pra um completo desconhecido que já tiha destruido outros dois carros, rolam muitas cenas de treinamento pra ver se o bração aprende a fazer uma curva sem deixar o parachoque de lembrança. A cagada come solto por muitos minutos do filme até o mané tomar tenência. Pra quem se achava O RACHADOR, o cara era um p*ta roda presa.

A Gostosa, o Forgado e um monte de avulsos lá no fundo


Nesse meio tempo o pai do mané aparece consertando um Mustang. O que prova que não é só o filho que não tem grana pra pagar mecânico. Só tem falido nessa p*rra. Esse filme deveria se passar na Argentina ou em Cuba, locais que estão lotados de gente dura.


Aparece um carayda de coisa sem importância e o Japa que já deu dois carros pro braço duro dá uma explicação sem pé nem cabeça pra ter feito tamanha idiotice. Pelo menos o cara sabe fazer Drift e ganhar mulher, tenho que admitir. Mas queria ver ele fazer aquilo de Chevette 77 ou de fuscão 1300. Ia ser muito f*da. E aposto um Fandangos que ele não comia ninguém.

Mais treinamento (O mocinho é tão ruim que fica metade do filme treinando), uns rachas e a mina gostosa que até agora estava no filme só de enfeite mostra que também sabe dirigir. Aliás, parece que nesse filme só o mocinho e o neguinho muambeiro não dirigem p*rra nenhuma. E o mocinho ainda bate todos os carros em que põe a mão.



O que você quer dizer com "Já vi esse filme antes"?


Uma pena que o rolê com a gostosa rendeu umas bifas ao mocinho e olha que ele nem comeu ninguém! (Pra variar) Interessante o bando de bunda mole olhando o cara tomar um pau e ninguém tem cu pra ajudar. Só tem frouxo nesse filme! O cara que socou o mocinho mesmo só se garante porque tem tio mafioso. Cusão.

Mais umas tretinhas e o tio mafioso (Que se veste feito um pai de santo) do viadinho metido a bandidão vem avisar que o japa que dá carros de presente tá tosquiando a grana do movimento dos manos. Agora entendi onde ele arrumava grana da sair por ai dando carros pra quem nem sabe dirigir direito. Essa p*rra só podia dar m*rda. E deu, com o doador de carangas virando churrasco após uma perseguição em que 80% do tempo os carros andaram de lado.

Mais uma tretinhas e o Mocinho vai devolder a grana do Mafiosão e sugerir uma corrida para ver quem sai da cidade e quem fica.
Não se sabe porque, mas o pai de santo... digo, o mafioso aceita e lá vão os manés reformar o Mustang do pai Loser e colocar o motor daquele carro (A Mona lisa) que foi destruido pelo barbeiro no começo. Um Mustang com motor japonês deve estar entre as tres coisas mais absurdas que ja vi em um filme... cadê o DVD dos Teletubbies que eu deixei por aqui? Tá na hora de trocar de filme.

Após um racha na montanha onde não se vê p*rra nenhuma porque ta muito escuro, o bandido tenta voar com o carro e se estabaca bonitamente. E o mocinho Vira o novo f*dão do pedaço, com direito a tirar um racha bem no finalzinho do filme com o Triplo X / Toretto (Que foi colocado ali só pra lembrar que esse filme faz parte da série "Velozes e Furiosos" e não dos Três Patetas ou dos Trapalhões. . .)

Ou seja: O filme é uma p*ta asneira onde a historia foi acochambrada pra gerar o máximo de cenas de derrapagem de carros por metro de película possivel. Aquela coisa que os antigos chamam de "roteiro" e que diz que um história tem de ter coerência, começo, meio e fim é apenas um detalhe pouco relevante.

Eu devia ter ficado assistindo os Teletubbies mesmo.

←  Anterior Proxima  → Página inicial
Postar um comentário